Desabafo e revelações! Corraaa!

Eu já notei uma coisa que acontece comigo: eu acho que sou preguiçoso. Eu realmente acho que tenho algum probleminha que deve ser tratado imediatamente – ou o quanto antes. Mas o problema maior é que eu sei disso e não tento fazer nada pra mudar. Até tento, mas não consigo! Parece que tem um monstrinho muito do chato que fica me enlouquecendo, me tirando do sério. Vamos por partes:

  1. Eu tenho que fazer as postagens do blog. Ok! Até aí tudo bem, mas… Problema: Eu fico muito, sei lá… Toda vez que eu tento postar, não consigo fazer uma grande postagem; eu vejo outros blogues que quando há postagens, elas são enormes… E as minhas são tão pequeninas. E também tem mais: toda vez que estou longe do computador… Meu Deus! É uma vontade louca de postar, mas é só eu me assentar na cadeira que PLUFT! a vontade some. Diga se não é o Maledito do Sisto.
  2. Eu tenho ~revelação~ outro problema. Meu livro! É moçadinha… eu tenho pretensão de escrever um livro. Na verdade começo a escrita amanhã, 1 de Junho, e pretendo finalizar o livro até o final do ano. Por isso: SEBO NAS CANELAS. E fora preguiça maldita!

 

Bem é isso. Depois, quando me der na telha, eu faço um post sobre meu livro e detalho tudo. Tchau!

Anúncios

Moleskines

“Só percebemos a burrice quando ela respira bem próximo à nós”
Essa frase foi dita por alguém que não conheço; nem você, nem ninguém. Ela já respirou perto de você?

 

Sabe aquelas coisinhas que a gente vê e deseja intensamente. Aquelas coisinhas que são apenas coisas, simples e sem nada de extraordinário, mas que por algum motivo – seja lá realmente significativo ou não – sentimos que temos que ter aquilo. Então, uma dessas coisas que me ocorreu foi a bendita CADERNETA MOLESKINE. Essa bendita coisa me fisgou e agora eu não consigo não pensar nela.

Bem, primeiramente deixa contar-lhes o que seria uma Moleskine. Moleskine é o nome dado a cadernetas, da empresa de mesmo nome Moleskine SRL, que são famosas por terem sido usadas por grandes artistas, como Picasso, Van Gogh, entre outros. Essas cadernetas servem para vários tipos de tarefas: anotações, cadernos de desenhos, diário… etc. Existem variações da mesma; para viagens, para o amor da sua vida, para sua saúde; há também diversos tamanhos e blablablá.

 

 

Muitos renomados escritores – e também os menos conhecidos – utilizam essas maravilhas da imaginação.

Apesar de serem muito bonitas e tudo mais, o que não é nada atrativo é o preço (como sempre). Nos EUA elas custam, em média, 14 dólares; já no nosso belo país não sai por menos de 30 reais. Olha que Beleza!

Bem é isso, foi uma postagem bem pequena e simples, só pra atualizar meu querido blog.

Resenha – O Labirinto Do Fauno

Por que alguns filmes nos deixam tão impressionados, a ponto de a) ficarmos tristes e odiarmos o final escolhido pelo escritor e b) nos apaixonarmos imensamente pelo mesmo. É isso que acontece com O Labirinto do Fauno, um filme que narra de forma fantástica coisas belas (ou não), em meio a opressão e tristeza. Continuar lendo

Musicas e devaneios!

Se tem uma coisa que EU não gosto de fazer é: Não conseguir fazer o que eu tenho que fazer! Isso me irrita, e muito; pior que eu sou desse jeito. Sei que tenho  que postar pelo menos uma vez por semana e mesmo assim não consigo. Não consigo! Sempre fico procrastinando (palavra bonita), inventando mil e uma coisas só para no final não fazer é NADA – NOTHING. Tá bom, você pergunta, mas o que tu ta querendo dizer, ô Senhô? Resposta: Nada. Eu só quero informar que eu sou ?preguiçoso? Talvez. Mais do que isso eu quero ter alguém pra ler – (risada tristonha).

Sei lá, viu.

Mas tem uma coisa que eu gosto de fazer todo dia: OUVIR MÚSICA. E falando  disso, tenho um mooonte de músicas novas. Porque o bom da vida é escutar música! Se eu for falar todas as músicas… vou passar muito tempo – tenho que dormir. Vou falar algumas. Vou misturar tudo, vai música, cantora, cantor, banda e… entenderam?

Estou escutando uma cantora chamada Emmelie de Forest e, ela é muito boa. Viciei no single dela “Only Teardrops”.

Falando nisso ela participou da Eurovision 2013 (é um concurso anual de canções transmitido pela televisão com participantes de diversos países) e adivinha… Ela foi a ganhadora! Ela é sueca-dinamarquesa e já participou de vários concursos, festivais, ou seja, já era bem preparadinha para isso. Emmelie lançou seu album de estréia “Only Teardrops” uma semana antes da final do programa e, eu escutei ontem, e é muito bom. Diquei!

É isso, postei! Aleluia! Se o post ficou um CoCo – sem Chanel – tudo bem, mas se ficou bom… Obrigado.

Agradecimentos à Portal It Pop!, pois foi lá que descobri essa cantora. E também pra Camila que eu SEI que vai visitar meu blog e comentar (assim espero) 🙂 Acabou!

Lançado: O Filho de Sobek – Crossover das duas series de Rick Riordan

Percy Jackson encontra Carter Kane em mais uma eletrizante aventura do autor best-seller Rick Riordan. Ao investigar os ataques de um crocodilo imenso contra pégasos em Long Island, o grande herói do Olimpo conhece o líder da casa do Brooklyn, que também está no rastro da fera. Os dois se unem para combater o terrível filho de Sobek, mas as dúvidas são muitas:por que há um monstro egípcio atacando mitos gregos?Será que a união de forças dos dois heróis será suficiente para derrotar a fera? E a mais importante: quem estaria por trás desse terrível evento?

Como prometido por Rick Riordan, depois de ser implorado a ele uma junção de dois mundos, é lançado aqui o conto que reúne o mundo de Percy Jackson e As Crônicas de Kane. O livro será publicado apenas em formato e-book, pela Intrínseca.

Você pode comprar na Saraiva e Siciliano.

Via: Percy Jackson Br.

Resenha – Cartas para Julieta

Cartas para Julieta

Uma história simples que cumpre o seu papel: divertir.

 

Não espere assistir Cartas para Julieta e encontrar profundidade; não espere ver um Romeu e Julieta, um Shakespeare novo. A trama é simplória e logo nos primeiros minutos do filme você já tem uma boa ideia do acontece. Mas isso não desmerece o filme, nem um pouco.

 

Sophie (Amanda Seyfried) e Victor (Gael Garcia Bernal) viajam à Verona palco da história Romeu e Julieta para uma pré lua-de-mel. Só que Victor está mais interessado em fazer contatos para seu futuro restaurante em Nova York, enquanto Sophie se distrai com um grupo de voluntárias que responde cartas endereçadas a Romeu e Julieta, procurando conselhos amorosos. Enquanto ajuda as voluntárias, ela encontra uma carta escrita em 1957 de uma senhora chamada Claire (Vanessa Redgrave). Sophie responde à carta. Claire acompanhada de seu neto Charlie (Chris Egan) vão à Itália e tentam encontrar Lorenzo, o verdadeiro amor de Claire.

 

Partindo dessa premissa o filme se desenrola da maneira mais fluida possivel. Apesar do fraco roteiro construído pelos roteiristas (José Rivera e Tim Sullivan) a história nunca chega a enjoar. Os belos cenarios da Italia criam um ar de romance juvenil e inocente; o diretor Gary Winick capricha nos detalhes capturados, as belas imagens se enroscam aos olhos criando uma linda visão. A Italia realmente é um paraiso, ainda mais, quando é lançado a mão trilhas sonoras aconchegantes e bonitas.

 

Os atores e atrizes estão de parabéns, pelo a mim, não incomodou em nenhum momento. Ponto para Vanessa que com uma simples atuação conseguiu transparecer o que precisa à personagem. Amanda não decepcionou no seu papel; Chris não encheu a tela de atuação, mas não desmereceu o filme. Gael fez apenas algumas apariçoes rapidas e Franco Nero ( o Lorenzo Bartolini – o amor de Claire) não teve tempo de nada.

 

As belas paisagens, a ótima escolha de atrizes e atores, a trilha sonora – que não impressiona, mas não decepciona – e o forte apelo ao romance, faz de Cartas para Julieta um filme bobinho, mas que não decepciona enquanto filme.

Resenha: A Estrada da Noite – Joe Hill

 

Titulo: A Estrada da Noite ( Heart Shaped Box)

Autor(a): Joel Hill

Paginas: 254

Editora: Arqueiro.

Ano: 2007

 

 

Uma lenda do rock pesado, o cinqüentão Judas Coyne coleciona objetos macabros: um livro de receitas para canibais, uma confissão de uma bruxa de 300 anos atrás, um laço usado num enforcamento, uma fita com cenas reais de assassinato. Por isso, quando fica sabendo de um estranho leilão na internet, ele não pensa duas vezes antes de fazer uma oferta.
“Vou ´vender´ o fantasma do meu padrasto pelo lance mais alto…”
Por 1.000 dólares, o roqueiro se torna o feliz proprietário do paletó de um morto, supostamente assombrado pelo espírito do antigo dono. Sempre às voltas com seus próprios fantasmas – o pai violento, as mulheres que usou e descartou, os colegas de banda que traiu -, Jude não tem medo de encarar mais um.
Mas tudo muda quando o paletó finalmente é entregue na sua casa, numa caixa preta em forma de coração. Desta vez, não se trata de uma curiosidade inofensiva nem de um fantasma imaginário. Sua presença é real e ameaçadora.
O espírito parece estar em todos os lugares, à espreita, balançando na mão cadavérica uma lâmina reluzente – verdadeira sentença de morte. O roqueiro logo descobre que o fantasma não entrou na sua vida por acaso e só sairá dela depois de se vingar. O morto é Craddock McDermott, o padrasto de uma fã que cometeu suicídio depois de ser abandonada por Jude.
Numa corrida desesperada para salvar sua vida, Jude faz as malas e cai na estrada com sua jovem namorada gótica. Durante a perseguição implacável do fantasma, o astro do rock é obrigado a enfrentar seu passado em busca de uma saída para o futuro. As verdadeiras motivações de vivos e mortos vão se revelando pouco a pouco em A Estrada da Noite – e nada é exatamente o que parece.
Ancorando o sobrenatural na realidade psicológica de personagens complexos e verossímeis, Joe Hill consegue um feito raro: em seu romance de estréia, já é considerado um novo mestre do suspense e do terror.

Continuar lendo