Resenha: The Bling Ring – Sofia Coppola

 

Infelizmente há pessoas que querem conseguir aquilo que almeja da forma mais facil possivel. Pra que trabalhar? Pra que tentar ganhar suas coisas de maneira legal, pra quê? Não é mais fácil roubar – ou furtar, palavra mais elegante; mas de alguém que tenha dinheiro, afinal, se tem muito não vai ligar pra uma mixaria roubada/furtada. E qual grupo mais adora fazer isso? Os adolescentes, que paracem necessitar terem a Prada, a Gucci, a Dolce & Gabana.

The Bling Ring conta a estória de um quinteto de adolescentes ricos que se aventuraram roubando casas de famosos, como Lindsay Lohan, Paris HIlton, Orlando Bloom, e sua derradeira descoberta.

Logo no início pensei que ia gostar muito desse filme, pois gostei do Marc e da Rebecca e a trama parecia ser interessante. Mas conforme os minutos iam passando tudo no filme começava a ficar repetitivo, simplesmente era invasão a domicilio atrás de invasão, desgastando assim a paciência. Não aprofundava em nenhuma personagem, era só um pequeno indicio de tal problema e só.

Tanto é que nem guardei muito os nomes das personagens, de tão chatos que alguns pareciam. A Emma Watson foi até bem feliz com sua personagem, uma menininha sínica até não poder mais, com uma mãe mais idiota e protetora impossível. Quando descobre o que a sua filha fez fica adulando e mimando mais ainda, porque chamar a atenção, dar uma bronca, é coisa de truculento.

E talvez é aí que o filme ganhe algo de bom, mostrando a falta de presença nas vidas dos filhos, não sabendo o que eles fazem de dia ou de noite. Não só isso, como também o excesso de mimação e falta de jogo de cintura dos próprios pais, que não aprenderam a serem pais de verdade.

Talvez o que mais tenha gostado do filme foi a trilha-sonora que mescla musicas de vários gêneros e fazem a trama ficar mais interessante e divertida.

Não é um filme ruim ou dispensável, é interessante até certo ponto (como uma forma de analisar o mundo dos sonhos), se vai ser bom ou não e questão de opinião. Mas encerro essa postagem da mesma forma que o filme encerrou: com uma sensação pouca coisa. Assim como o filme me mostrou o básico eu devolvo o básico de uma resenha sobre ele.

Anúncios